CAN the CAN

Etiquetas:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

 

 

Abriu dia 9 de Junho o restaurante Can the Can, no Terreiro do Paço em Lisboa.

Inaugurámos com um lustre feito de quase três mil latas de conserva, que desde a montagem se tornou o icon do nosso espaço.

Um espaço de restauração que pretende ser contemporâneo de uma tasca moderna, onde as conservas tradicionais e outros produtos portugueses são os donos da casa.

Assim sendo, desde este dia abrimos-lhe as portas – e as latas também.

Aqui na nossa casa, as conservas vestiram-se de Gourmet e caíu-lhes muito bem, ou não fosse a conserva um dos filhos mais bonitos da indústria Portuguesa.

Sempre guarnecidas com fado a várias modas, convidamo-lo a vir provar o agridoce de uma desgarrada e a conhecer a subtileza que o tremoço ou a azeitona podem ter.

E foi por isso que nasceu o CAN the CAN – porque somos Portugueses vaidosos e há muitos pretextos para apreciar o que nos diz respeito, tantos que se torna difícil ignorá-los.